Congresso
Vocę Participaria de um Congresso Bíblico?
Sim
Năo
Ver Resultados

Partilhe esta Página



Total de visitas: 38342
AS DUAS NATUREZAS DO CRENTE
AS DUAS NATUREZAS DO CRENTE

AS DUAS NATUREZAS DO CRENTE

 

As Escrituras ensinam que toda pessoa regenerada tem duas naturezas: uma, recebida pelo nascimento natural, a qual é extremamente ruim; e uma nova natureza, recebida por meio do novo nascimento, a qual é a natureza do próprio Deus e, portanto, integralmente boa. Os textos a seguir manifestam o que Deus pensa da velha natureza (ou natureza adâmica).

"Eu nasci na iniqüidade, e em pecado me concebeu minha mãe" (Salmos 51:5).

"Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?" (Jeremias 17:9).

"Não há justo, nem um sequer, não há quem entenda, não há quem busque a Deus; todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer" (Romanos 3:10-12).

Deus não diz que as pessoas não regeneradas não sejam refinadas ou cultas, ou capazes, ou de bom temperamento, ou generosas, ou caridosas, ou mesmo religiosas. Mas diz que não há nem uma pessoa que seja justa, não há quem entenda, não há quem busque a Deus. Aceitar a opinião divina acerca da natureza humana é uma das mais dolorosas provas da fé. Implica reconhecer que os nossos amigos geniais e morais são desdenhadores dos direitos de Deus e insensíveis ao sacrifício de Seu Filho, cuja divindade negam e cuja Palavra rejeitam (1 João 1:10; 5:10). E essa prova tem sido cada vez mais dificultada pela exaltação da humanidade que se ouve dos púlpitos.

Que contraste contundente entre aparência e realidade nos tempos anteriores ao dilúvio: "Ora, naquele tempo havia gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de Deus possuíram as filhas dos homens, as quais lhes deram filhos; estes foram valentes, varões de renome, na antigüidade" (Gênesis 6:4).

Parecia que o mundo melhorava aos olhos do homem. Podia-se constatar uma contínua melhora, e o resultado aparente da união profana do santo com o mundano foi a elevação da natureza humana a uma altura maior. Mas "viu o SENHOR que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio do seu coração" (Gênesis 6:5).

"Porque de dentro, do coração dos homens, é que procedem os maus desígnios, a prostituição, os furtos, os homicídios, os adultérios, a avareza, as malícias, o dolo, a lascívia, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura. Ora, todos estes males vêm de dentro e contaminam o homem" (Marcos 7:21-23).

"Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritual­mente" (1 Coríntios 2:14).

"Por isso, o pendor da carne é inimizade contra Deus, pois não está sujeito à lei de Deus, nem mesmo pode estar. Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus" (Romanos 8:7-8).

O homem não convertido pode ser instruído, amável, generoso e religioso. Pode ser confiável, aplicado e bom marido e bom pai, contudo, é triplamente incapaz: incapaz de obedecer, de agradar e de entender a Deus.

O crente, pelo contrário, embora ainda tenha a velha natureza, que não mudou nem mudará, recebeu uma nova natureza, a qual é criada "segundo Deus, em justiça e retidão procedente[s] da verdade" (Efésios 4:24).

Os textos bíblicos a seguir mostram a origem e o caráter do novo homem. Veremos que a regeneração é uma criação, não transformação: é a introdução de uma coisa nova, não a mudança de uma velha. Se, pois, recebemos a natureza humana por meio da geração natural, recebemos a natureza divina por meio da regeneração.

"Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus" (João 3:3).

"Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus" (João 1:12-13).

Há de se observar o peso dessas escrituras sobre conceitos que se tornaram comuns, como o da "paternidade universal de Deus" e o da "fraternidade universal do homem". Por ser este último até uma meia ­verdade é tanto mais perigoso. Não todos os nascidos, mas todos os nascidos de novo é que são filhos de Deus.

"E vos revistais do novo homem, criado segundo Deus, em justiça e retidão procedentes da verdade" (Efésios 4:24).

"E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas" (2 Coríntios 5:17).

E esse "novo homem" está ligado a Cristo. "Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim" (Gálatas 2:19-20).

"Porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus. Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então, vós também sereis manifestados com ele, em glória" (Colossenses 3:3-4).

"Para mim, o viver é Cristo" (Filipenses 1:21).

"Pelas quais nos têm sido doadas as suas preciosas e mui grandes promessas, para que por elas vos torneis co­-participantes da natureza divina" (2 Pedro 1:4).

"E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está no seu Filho. Aquele que tem o Filho tem a vida; aquele que não tem o Filho de Deus não tem a vida" (1 João 5:11-12).

Porém, essa nova natureza divina, que é de Cristo, subsiste no crente junto com a velha natureza. O mesmo Paulo que dizia: "Já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim" (Gálatas 2:20), também disse: "Eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum" (Romanos 7:18), e: "Então, ao querer fazer o bem, encontro a lei de que o mal reside em mim" (Romanos 7:21).

Há um conflito entre essas duas naturezas. Estude cuidadosamente a luta entre os dois "eus", o velho Saulo e o novo Paulo, em Romanos 7:14­-25. São experiências como essa que desencorajam e deixam perplexos os novos convertidos. A primeira alegria da conversão começa a se esfriar, o andar se toma descuidado, e o desalento acomete o convertido quando ele constata que a carne, com os seus antigos hábitos e desejos, reivindica o seu lugar primitivo. Isso o leva a duvidar de que Deus o tenha aceitado. É um momento de grande desenco­rajamento e perigo. Paulo, nessa crise, clama por livramento, chamando a sua velha natureza de "corpo desta morte". A lei só aumenta a agonia dele, e ele encontra livramento da "carne", não por esforço, nem por se apressar em guardar a lei, mas "por Jesus Cristo, nosso Senhor" (Romanos 7:24,25).

A presença da carne não é, contudo, desculpa para andar de acordo com ela. A Bíblia nos ensina "que foi crucificado com ele [com Cristo] o nosso velho homem" (Romanos 6:6). Isto quer dizer que "estamos mortos" e somos exortados a viver essa experiência continuamente, mortificando os nossos membros.

O poder para isso é o do Espírito Santo, que habita em todo crente (1 Coríntios 6:19) e cujo ofício bendito é sujeitar a carne. "Andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne. Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer." (Gálatas 5:16,17).

"Porque, se viverdes segundo a carne, caminhais para a morte; mas, se, pelo Espírito, mortificardes os feitos do corpo, certamente, vivereis" . (Romanos 8: 13). Portanto, em vez de satisfazer as exigências da velha natureza por força de vontade ou por boas resoluções, entregue o conflito ao Espírito de Deus, que habita em você.

O capítulo sétimo de Romanos expõe o conflito do homem regenerado com seu velho "eu" e é, portanto, muito pessoal. Em Romanos 8, o conflito continua, mas agora de um modo benditamente impessoal! E já não há mais agonia, pois Paulo não está mais envolvido. O conflito é agora entre a "carne" (Saulo de Tarso) e o Espírito Santo. Paulo está em paz e é vitorioso. Considere atentamente os textos a seguir.

"Sabendo isto: que foi crucificado com ele o nosso velho homem, para que o corpo do pecado seja destruído, e não sirvamos o pecado como escravos" (Romanos 6:6).

"Porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus" (Colossenses3:3).

"Assim também vós considerai-vos mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus" (Romanos 6:11).

"Revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e nada disponhais para a carne no tocante às suas concupiscências" (Romanos 13:14).

 

A POSIÇÃO E O ESTADO CRENTE

Para compreender bem as Escrituras, é preciso estabelecer uma importante distinção que há entre a posição do crente e o seu estado (ou caminhar). A primeira é o resultado da obra de j Cristo, e é perfeita e completa desde o momento em que Cristo é recebido por fé. Só a fé dá ao homem uma posição aos olhos de Deus. Diante dEle, o mais débil, mais ignorante, mais inconstante e falível homem da terra, se for um crente verdadeiro no Senhor Jesus Cristo, terá precisamente o mesmo título que o santo mais ilustre.

Os versículos seguintes mostram o significado de nossa posição:

"Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome" (João 1:12).

"Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo" (Romanos 8:17).

"Para uma herança incorruptível, sem mácula, imarcescível, reservada nos céus para vós outros que sois guardados pelo poder de Deus, mediante a fé" (1 Pedro 1:4-5).

"Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-l o como ele é" (1 João 3:2).

"Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa" (1 Pedro 2:9).

"Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna" (João 3:16).

"Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus" (Hebreus 10:19).

"Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo" (Efésios 1:3).

"Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, pela graça sois salvos, e, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus" (Efésios 2:4-6).

"Mas, agora, em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, fostes aproximados pelo sangue de Cristo" (Efésios 2:13).

"Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sais de vós mesmos?" (1 Coríntios 6:19).

Cada uma dessas surpreendentes declarações é verdadeira para todo aquele que crê no Senhor Jesus Cristo. Nenhum único item deste glorioso inventário pode ser alcançado por meio de oração, diligência no serviço, ida regular à igreja, doação de esmolas, abnegação, santidade de vida, ou qualquer outro tipo de boas obras. Tudo é dom de Deus por intermédio de Cristo e, portanto, pertence igualmente a todos os crentes.

No exato momento em que o carcereiro de Filipe creu no Senhor Jesus Cristo, veio a ser um filho de Deus, co-herdeiro de Cristo, rei e sacerdote e possuidor de uma herança incorruptível. No instante em que creu com o coração e confessou com a boca Jesus como Senhor, foi justificado de todas as coisas, alcançou paz com Deus e uma posição em Sua graça, assim como a firme esperança de glória. Ele recebeu o dom da vida eterna, foi aceito em Cristo, selado com o Espírito Santo, habitado pelo Espírito Santo e batizado no corpo místico de Cristo. Imediatamente foi revestido da justiça de Deus (Romanos 3:22), vivificado com Cristo, ressuscitado com Ele e assentado com Ele nos lugares celestiais.

O estado daquele carcereiro é outra coisa completamente diferente. Por certo era muito inferior a sua exaltada posição aos olhos de Deus. Não foi de imediato que ele se tornou rei, sacerdote e santo em seu caminhar como foi de imediato que ganhou a posição. Os textos seguintes indicam como as Escrituras tratam de ambos, posição e estado.

 

Posição

"A igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos" (1 Coríntios 1:2).

"Tais fostes alguns de vós; mas vós vos lavastes, mas fostes santificados, mas fostes justificados em o nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus" (1 Coríntios 6:11).

"Dando graças ao Pai, que vos fez idôneos à parte que vos cabe da herança dos santos na luz. Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor" (Colossenses 1:12-13).

 

Estado

"Pois a vosso respeito, meus irmãos, fui informado [...] de que há contendas entre vós" (1 Coríntios 1:11).

"Eu, porém, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, e sim como a carnais [...] porque ainda sois carnais. Porquanto, havendo entre vós ciúmes e contendas, não é assim que sois carnais e andais segundo o homem?" (1 Coríntios 3:1-3).

"Alguns se ensoberbeceram" (1 Coríntios 4:18).

"Agora, porém, despojai-vos, igualmente, de tudo isto: ira, indignação, maldade, maledicên­cia, linguagem obscena do vosso falar. Não mintais uns aos outros, uma vez que vos despistes do velho homem com os seus feitos" (Colossenses 3:8-9).

 

Posição

"Sabendo isto: que foi crucificado com ele o nosso velho homem, para que o corpo do pecado seja destruído" (Romanos 6:6).

"Vós sois a luz do mundo" (Mateus 5:14).

"Que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça" (2 Timóteo 1:9).

"E, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus" (Efésios 2:6).

"Pois, outrora, éreis trevas, porém, agora, sois luz no Senhor" (Efésios 5:8).

"Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para alcançar a salvação mediante nosso Senhor Jesus Cristo, que morreu por nós para que, quer vigiemos, quer durmamos, vivamos em união com ele" (1 Tessalonicenses 5:9-10).

"Nessa vontade é que temos sido santificados, mediante a oferta do corpo de Jesus Cristo, uma vez por todas" (Hebreus 10:10).

 

Estado

"Se morrestes com Cristo para os rudimentos do mundo, por que, como se vivêsseis no mundo, vos sujeitais a ordenan­ças?" (Colossenses 2:20).

"Portanto, se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus" (Colossenses 3:1).

"Andai como filhos da luz" (Efésios 5:8).

"Assim, pois, não durmamos como os demais; pelo contrário, vigiemos e sejamos sóbrios" (1 Tessalonicenses 5:6).

"Consolai-vos, pois, uns aos outros e edificai-vos reciproca­mente, como também estais fazendo" (1 Tessalonicenses 5:11).

"O mesmo Deus da 'paz vos santifique em tudo" (1 Tessaloni­censes 5:23).

"Aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou" (1 João 2:6).

As Escrituras fazem clara distinção entre a posição e o estado do crente. Ele não está sob prova para saber se é digno de uma posição tão exaltada, mas, começando com a confissão de sua indignidade, recebe por completo a posição como resultado da obra de Cristo. No que diz respeito à sua posição, é aperfeiçoado "para sempre" (Hebreus 10:14); mas olhando para o interior, para seu estado, pode dizer: "Não que eu o tenha já recebido ou tenha já obtido a perfeição" (Filipenses 3:2).

Pode-se dizer que toda obra posterior de Deus em seu favor - a aplicação da Palavra a seu andar e sua consciência (João 17:17; Efésios 5:26), os castigos das mãos do Pai (Hebreus 12:10; 1 Coríntios 11:32), o ministério do Espírito (Efésios 4:11-12),· todas as dificuldades e provações do deserto da vida (1 Pedro 4:12­-14), e a transformação final quando Cristo se manifestar (1 João 3:2) - é intencionada simplesmente para pôr o caráter do crente em perfeita conformidade com sua posição, a qual lhe é concedida no instante de sua conversão. Ele cresce em graça, mas não dentro da graça.

Um príncipe quando criança é presumidamente tão teimoso e ignorante quanto qualquer outra criança. Num dia, pode ser muito obediente, disposto a aprender e afetuoso e, por isso, feliz e aprovado. Noutro, pode ser indisciplinado, obstinado e desobediente e, por isso, infeliz e talvez castigado. Contudo, tanto é príncipe num dia quanto noutro. Mas espera-se que, com o passar do tempo, ele aprenda a submeter-se voluntariamente a tudo que é certo e justo. Desse modo ele será mais coerente com sua posição de príncipe, mas não mais príncipe de fato, pois já nasceu príncipe.

No caso de todo verdadeiro filho do Rei dos reis e do Senhor dos senhores, espera-se que ocorra este aperfeiçoamento para que ocupe dignamente sua posição de alteza real. Sendo assim, no final, a posição e o estado, o caráter e a situação, serão iguais. Mas a posição não vem a ser a recompensa do caráter aperfeiçoado. Antes, o caráter é o desenvolvimento que se espera em função da posição.

 

A SALVAÇÃO E AS RECOMPENSAS

As Escrituras do Novo Testamento contêm uma doutrina de salvação para o perdido e uma doutrina de recompensas pelo fiel serviço dos salvos. É de suma importância para a devida compreensão da Palavra que o estudante faça clara diferenciação entre estas doutrinas.

 

Salvação: um dom gratuito

"Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie" (Efésios 2:8-9).

"Replicou-lhe Jesus: Se conheceras o dom de Deus e quem é o que te pede: dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva" (João 4:10).

"Ah! Todos vós, os que tendes sede, vinde às águas; e vós, os que não tendes dinheiro, vinde, comprai e comei; sim, vinde e comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite" (Isaías 55:1).

"O Espírito e a noiva dizem: Vem! Aquele que ouve, diga: Vem! Aquele que tem sede venha, e quem quiser receba de graça a água da vida" (Apocalipse 22:17).

"Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor" (Romanos 6:23).

Notem, porém, que em contraste com a gratuidade da salvação, as obras agradáveis a Deus serão recompensadas.

 

Obras a ser recompensadas

"E quem der a beber, ainda que seja um copo de água fria, a um destes pequeninos, por ser este meu discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão" (Mateus 10:42).

"Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda" (2 Timóteo 4:7-8).

"E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras" (Apocalipse 22:12).

"Respondeu-lhe o senhor: Muito bem, servo bom; porque foste fiel no pouco, terás autoridade sobre dez cidades" (Lucas 19:17).

"Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além do que foi posto, o qual é Jesus Cristo. Contudo, se o que alguém edifica sobre o fundamento é ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, manifesta se tornará a obra de cada um; pois o Dia a demonstrará, porque está sendo revelada pelo fogo; e qual seja a obra de cada um o próprio fogo o provará. Se permanecer a obra de alguém que sobre o fundamento edificou, esse receberá galardão; se a obra de alguém se queimar, sofrerá ele dano; mas esse mesmo será salvo, todavia, como que através do fogo" (1 Coríntios 3:11-15).

 

Salvação: uma posse presente

"Quem crê no Filho tem vida eterna" (João 3:36).

"Quem ouve a minha pala e crê naquele que me enviou te a vida eterna, não entra em juiz mas passou da morte para vida" (João 5:24).

"Que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça" (2 Timóteo 1:9).

"Não por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo sua misericórdia, ele nos salvo mediante o lavar regenerador renovador do Espírito Santo" (Tito 3:5).

"E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; esta vida está no seu Filho" (1 João 5:11).

As recompensas, entretanto pertencem ao futuro.

 

Recompensas concedidas no futuro

"Porque o Filho do Homem há de vir na glória de seu Pai com os seus anjos, e, então retribuirá a cada um conforme suas obras" (Mateus 16:27).

"A tua recompensa, porém, tu a receberás na ressurreição dos justos" (Lucas 14:14).

"E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras" (Apocalipse 22:12).

"Ora, logo que o Supremo Pastor se manifestar, recebereis a imarcescível coroa da glória" (1 Pedro 5:4).

"Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia" (2 Timóteo 4:8).

O propósito de Deus ao prometer recompensar com honras celestiais e eternas os fiéis serviços de seus santos é para demovê-los da busca pelas riquezas e prazeres terrenos, sustentá-los na hora das perseguições e encorajá-los no exercício das virtudes cristãs.

 

OS VERDADEIROS CRENTES E OS PRETENSOS

Desde que Deus tem um povo seu na terra, estes tem sido incomodados pela presença dos que professam pertencer, mas não são seus.

Começando pela entrada do Éden, este estado de coisas continuará até o dia em que o filho do Homem enviará "os seus anjos, que ajuntarão do seu reino todos os escândalos e os que praticam a iniquidade [...] Então, os justos resplandecerão como o sol, no reino de seu Pai" (Matas 13:41-43).

As Escrituras falam claramente dessa mistura do joio com o trigo - os pretensos crentes entre os verdadeiros. Contudo, isto confunde muito os estudantes da Bíblia, que aplicam aos filhos de Deus os avisos e exortações reservados exclusivamente aos enganados e hipócritas. Essa mistura é reconhecida nas Escrituras de maneira abundante. (Veja Gênesis 4:3-5; Êxodo 12:38; Números 11:4-6; Neemias 7:63-­65; 13:1-3; Mateus 13:24-30, 37-43; 2 Coríntios 11:13-15; Gálatas 2:4 e 2 Pedro 2:1-2.)

É impossível, numa leitura rápida da Bíblia, fazer referência a todas as passagens que distinguem os verdadeiros crentes da multidão de hipócritas e lega listas enganados que trabalham pela sua própria salvação, em lugar de desenvolver a salvação já obtida como dom gratuito de Deus (veja Filipenses 2:12-13 e Efésios 2:8-9). Vejamos a seguir os exemplos que indicam, de modo cabal, a linha de demarcação.

 

Os verdadeiros crentes são salvos

"Mas Jesus disse à mulher: A tua fé te salvou; vai-te em paz" (Lucas 7:50).

"As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha. mão" (João 10:27-28).

"Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim; e o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora" (João 6:37).

"Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem a mim" (João 10:14).

"Entretanto, o firme fundamento de Deus permanece, tendo este selo: O Senhor conhece os que lhe pertencem. E mais: Aparte-se da injustiça todo aquele que professa o nome do Senhor" (2 Timóteo 2:19).

"Em verdade, em verdade vos digo: quem crê em mim tem a vida eterna" (João 6:47).

"Pai, a minha vontade é que onde eu estou, estejam também comigo os que me deste, para que vejam a minha glória que me conferiste, porque me amaste antes da fundação do mundo" (João 17:24).

 

Os pretensos crentes estão perdidos

"Pedro, porém, lhe respondeu [...] julgaste adquirir, por meio dele, o dom de Deus. Não tens parte nem sorte neste ministério, porque o teu coração não é reto diante de Deus" (Atos 8:20-21).

"Eles saíram de nosso meio; entretanto, não eram dos nossos; porque, se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco; todavia, eles se foram para que ficasse manifesto que nenhum deles é dos nossos" (1 João 2:19).

"Contudo, há descrentes entre vós. Pois Jesus sabia, desde o princípio, quais eram os que não criam e quem o havia de trair. E prosseguiu: Por causa disto, é que vos tenho dito: ninguém poderá vir a mim, se, pelo Pai, não lhe for concedido. A vista disso, muitos dos seus discípulos o abandonaram e já não andavam com ele" (João 6:64-66).

"Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas, por dentro, estais cheios de hipocrisia e de iniquidade [...] Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno?" (Mateus 23:28, 33).

"Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade" (Mateus 7:22-23).

"É impossível, pois, que aqueles que uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram participantes do Espírito Santo, e provaram a boa palavra de Deus e os poderes do mundo vindouro, e caíram, sim, é impossível outra vez renová-los para arrepen­dimento" (Hebreus 6:4-6).

"Todavia, o meu justo viverá pela fé; e: Se retroceder, nele não se compraz a minha alma" (Hebreus 10:38).

 

PENSAMENTOS FINAIS

Alguns textos são difíceis de compreender, mas com oração, estudo diligente e sem jamais usar nenhuma passagem duvidosa e obscura para contradizer uma clara e positiva, sem dúvida alguma a dificuldade desaparecerá. Não nos devemos servir de um texto em que haja um "se", como Hebreus 6:6, para contradizer outro que contenha um "em verdade", como João 5:24.

Os casos de Judas Iscariotes e de Pedro não devem apresentar nenhuma difi­culdade. Judas nunca foi crente em Jesus Cristo, como João 6:68-71 salienta. Pedro nunca deixou de ser crente, como Lucas 22:31-32 claramente indica.

Finalmente, devemos lembrar que estes princípios são tão-somente para nos guiar a manejar bem a Palavra da verdade, mas nunca para serem aplicados aos pretensos crentes. Não nos foi designado julgar os pretensos crentes, pois isso está reservado ao Filho do Homem (Mateus 13:28-29 e 1 Coríntios 4:5).

 

FIM DESTA SÉRIE DE ESTUDOS

 

Referências para o estudo bíblico - Dicas para a escola dominical