Revista Leituras Cristãs

Conteúdo cristão para edificação

A Igreja na Glória

“E veio a mim um dos sete anjos… e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a esposa, a mulher do Cordeiro. E levou-me em espírito a um grande e alto monte, e mostrou-me a grande cidade, a santa Jerusalém, que de Deus descia do céu. E tinha a glória de Deus; e a sua luz era semelhante a uma pedra preciosíssima, como a pedra de jaspe, como o cristal resplandecente.” Apocalipse 21:9-11

No início do livro de Apocalipse, nós vemos a Igreja no seu completo fracasso no que se refere à responsabilidade de ser um testemunho para Cristo. Além disso, aprendemos que a raiz do fracasso estava no fato dela, como noiva, ter perdido sua afeição por Cristo. Ela deveria ser “como uma esposa adornada para seu marido” (Apocalipse 21:2), que aguarda o dia da sua boda. Porém faltou-lhe a afeição por Cristo, de modo que o Senhor tem que dizer essas tristes palavras:

“Deixaste teu primeiro amor” (Apocalipse 2:4).

A Igreja deveria ter…

… se apegado ao Senhor Jesus em “amor”, e deveria ter resplandecido diante do mundo como “luz”.

Caracterizada pelo “amor” e pela “luz”, ela teria sido um testemunho verdadeiro para Cristo. Mas, por ter fracassado no amor à Ele, o Senhor teve que dizer-lhe:

“Arrepende-te… quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal” (Apocalipse 2:5).

Após a Igreja ter deixado seu primeiro amor à Cristo, ela perdeu sua luz diante dos homens.

Entretanto, no final do Apocalipse podemos ver que a Igreja, apesar de todo o doloroso fracasso, por fim será apresentada diante do mundo no seu verdadeiro caráter, como “a esposa, a mulher do Cordeiro”. Ali, a Igreja é vista como esposa, em verdadeira afeição a Cristo. Então, na graça e no amor de Cristo, ela irá resplandecer como uma luz perante do mundo.

A Igreja será…

Cristo será glorificado nos Seus santos (2 Tessalonicenses 1:10). Essa é a bem-aventurança dos versículos acima mencionados. Eles nos apresentam a Igreja assim como ela corresponde ao coração de Cristo. Se por um breve instante conseguirmos enxergar o modo de como Cristo nos vê no futuro, começaríamos a reconhecer o que Ele deseja de nós agora.

Para poder contemplar essa grande visão, João foi levado “a um grande e alto monte”. Ele é libertado das coisas dessa terra para dirigir seus sentidos às “coisas de cima”.

A corrupção da Babilônia foi vista desde um deserto (Apocalipse 17:3); porém as glórias da “santa cidade, Jerusalém” podem ser vistas somente desde um “alto monte”.

Para perceber o mal e distingui-lo, não é necessário uma altura espiritual. Uma pessoa do mundo pode ser muito bem sucedida quanto à condenação do mal na cristandade; porém o entendimento natural é totalmente incapaz de penetrar nas coisas divinas.

Até mesmo para verdadeiros crentes isso só é possível se eles se elevam por cima das coisas terrenas e avançam em separação do mal na cristandade. Somente assim estarão em condições de apreciar devidamente as glórias vindouras da “esposa, a mulher do Cordeiro”.

E é nesta posição elevada que passa diante do apóstolo a visão da gloriosa cidade. O anjo diz: “Mostrar-te-ei a esposa, a mulher do Cordeiro”, mas na realidade ele vê uma cidade. É evidente que essa cidade resplandecente é usada como figura, para representar a Igreja em glória.

O caráter da cidade, da Igreja

Na primeira parte dessa maravilhosa descrição, podemos ver o caráter da cidade. É uma “cidade santa”; ela desce “do céu”, ela vem de “Deus”; ela tem a “glória de Deus”, e ela é uma cidade ”resplandecente”.

Não vemos nisso as mesmas características que, em perfeição infinita, foram evidenciadas no próprio Cristo quando Ele, como perfeito Homem, peregrinou por este mundo?

Desde antes de Seu nascimento, Ele foi chamado de “o Santo” (Lucas 1:35). E em Hebreus 7:26 lemos que Ele é “santo, inocente, imaculado”. Ele pode falar de Si como Aquele “que desceu do céu” (João 3:13). Ele também pode dizer:

“Eu saí, e vim de Deus” (João 8:42).

Também lemos “da glória de Deus, na face de Jesus Cristo” (2 Coríntios 4:6). Ele também é descrito como a “luz que resplandece nas trevas” (João 1:5).

As características de Cristo são as da Igreja

Exatamente as mesmas expressões que são utilizadas para descrever ao Senhor Jesus, aqui são aplicadas à Igreja na glória. A Igreja, que na ausência do Senhor fracassou de maneira tão grave ao representá-Lo, será por fim, naquele dia de glória, apresentada em toda a formosura de Cristo.

Ela é vista como “santa” em sua natureza, “celestial” segundo o caráter, de “Deus” no que se refere à sua origem, manifestando “a glória de Deus” e “resplandecente” como uma pedra preciosíssima que reflete a glória de Cristo.

Nesses versículos vemos a Igreja segundo o coração de Cristo e segundo os eternos decretos de Deus. Se quisermos conhecer a bem-aventurança desses decretos, que foram estabelecidos desde antes da fundação do mundo, temos que olhar para a glória vindoura, para ver a Igreja apresentada em toda a excelência de Cristo.

Na luz da glória futura se desvanece a glória passageira deste mundo, e suas mais altas honras perdem seu atrativo. Quando vemos as características que a Igreja terá na glória, aprendemos o que ela deveria ser hoje.

H.S.
    • José
    • 31 de março de 2020
    Responder

    Sim e Amém!! Maravilhoso comentário

      • berndbremicker
      • 3 de abril de 2020
      Responder

      Obrigado, irmão.

Leave a Comment