Revista Leituras Cristãs

Conteúdo cristão para edificação

Ana – A Profetisa

“E estava ali a profetisa Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Esta era já avançada em idade, e tinha vivido com o marido sete anos, desde a sua virgindade; e era viúva, de quase oitenta e quatro anos, e não se afastava do templo, servindo a Deus em jejuns e orações, de noite e de dia. E sobrevindo na mesma hora, ela dava graças a Deus, e falava dele a todos os que esperavam a redenção em Jerusalém.”

Lucas 2:36-38

Com frequência nossas almas já foram encorajadas e refrigeradas ao contemplarmos o belo quadro que nos é apresentado em Lucas 1 e 2: a vinda do Senhor Jesus à esta terra!

No primeiro capítulo é anunciada a Sua vinda. No segundo Ele chega, e miríades das potestades celestiais proclamam a glória da pequena criança que, humilde, jaz numa manjedoura em Belém. Apenas uns poucos esperavam a Sua vinda.

E hoje, na véspera de Sua volta, porventura as pessoas estão esperando por ele? Sim, Ele há de voltar! Ele o prometeu, e Suas promessas são confiáveis.

“Cristo… aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação” (Hebreus 9:28).

Dentre os poucos que são citados nos primeiros dois capítulos de Lucas, estava Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Tivesse ela olhado ao redor, teria muitos motivos para ficar triste e desconsolada.

Quanta decadência se manifestava no povo de Israel, o povo de Deus! Era o fruto de uma longa história de descrença e infidelidade!

Mas era isso que a ocupava? Não. Ela não se apartava do templo. Buscava a presença do Senhor, como outrora fez Davi (Salmo 27:4).

Ana queria preencher o coração com a Sua adorável Pessoa; isso certamente não quer dizer que era indiferente à decadência em Israel. Não há dúvidas que tal estado de coisas a motivou a fazer súplicas e a jejuar. Porém, ainda que estivesse afligida pela situação, isso não foi motivo para desencorajá-la ou abatê-la. Ela louvava ao Senhor com alegria!

Nós também vivemos em dias de decadência. A época final da história da Igreja assemelha-se, em vários aspectos, ao período derradeiro da história do povo de Israel. Quando olhamos em redor, quantos motivos de tristeza vemos! A cristandade tornou-se uma “grande casa” (2 Timóteo 2:20) em meio a um mundo que rejeita a Cristo e que caminha rumo a iminentes e terríveis juízos.

Até mesmo entre os filhos de Deus, entre os que Lhe prestam testemunho, existem coisas que nos humilham. Seria indicado permanecer inativos, desencorajados, conscientes da nossa impotência para reerguer aquilo que está em ruínas? Com que devemos nos ocupar: com aquilo que acontece ou com o que não acontece em outros lugares?

Lembremo-nos de Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser!

Perseveremos no “templo”, exercitados diante do Senhor por tudo aquilo que em nós ou ao nosso redor não corresponda com a Sua mente. Perseveremos — noite e dia, incessantemente — em jejum e súplicas. Que cada um de nós esteja ocupado com o Senhor, que Sua Pessoa preencha os nossos corações para que o louvor suba a Ele. É justamente isso que Deus espera “sempre” de nós (Hebreus 13:15)!

Mas, além disso, encorajemo-nos mutuamente — todos que vivemos na espera de Sua vinda — falando uns aos outros dAquele que está vindo. No entanto, isso só será de benção se nossos corações estiverem preenchidos dEle, pois “a boca fala do que está cheio o coração” (Lucas 6:45 – ARA). Se considerarmos tudo isso, não só teremos muita alegria em nós mesmos, mas também irradiaremos essa alegria ao nosso redor. Mas, principalmente, lembremos da alegria que nosso Senhor e Salvador terá!

É dito explicitamente que Ana, a filha de Fanuel, era da tribo Aser. Por que esse detalhe?

Quando Jacó chegou ao término da sua vida, ele reuniu todos os seus filhos ao redor de si. Ele tinha palavras específicas para cada um deles, anunciando-lhes o que lhes aconteceria no final dos tempos (Gênesis 49:1). O que ele diz acerca de Aser?

“O seu pão será gordo, e ele dará delícias reais” (v. 20).

São palavras proféticas, que encontrarão seu pleno cumprimento em um tempo futuro, quando a tribo de Aser fará parte do remanescente fiel. Nele o Messias encontrará Sua alegria e o prazer do Seu coração. Acaso essas palavras já não se realizaram parcialmente nesta cena de Lucas 2:36-38?

Em meio a um cenário em que não se encontra nada que alegre ao Senhor, para nós é um gozo e um privilégio poder imitar, pelo menos em certa medida, o exemplo de Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Se o fizermos, nossos corações se alegrarão, mas também o coração de nosso Senhor terá gozo e satisfação.

P. F.